segunda-feira, 28 de Abril de 2008

006. GRUPO DE DANÇA E TEATRO AMADOR ART' EM TI

O grupo de dança e teatro amador Art’em Ti é um grupo inovador por ser multifacetado. Nele podemos assistir a danças latinas como merengue, reggaeton, dança do ventre, flamenco, dança moderna, etc. e simultaneamente a várias peças de teatro infantil ou de crítica social que o grupo vai criando ou adaptando para posteriormente levar ao palco. A vida deste grupo já nos remete a Julho de 2002 e desde aí que tem participado em vários espectáculos na região e fora desta. Começámos por nos chamar “As Ninfas”, pois tínhamos apenas raparigas no nosso grupo, depois mudamos para “Ninfas e Companhia” e finalmente assentamos num nome generalista mas exactamente por isso mais livre e sem estereótipos: Art’em Ti. Este nome traduz a nossa essência, ou seja, que cada um dos nossos elementos mostre livremente e sem preconceitos a arte que tem dentro de si mesmo, daí o nome Art’em Ti. Desta forma pretendemos ser um espaço de divulgação e potencialização da arte criada por cada um de nós, da descoberta dessa mesma arte e sua criação, em suma, um reflexo da essência pessoal de cada um e que se combina numa harmoniosa unidade criada por diversas e tão ricas heterogeneidades. Iniciámos a nossa actividade na sede da Junta de Freguesia de S. João de Areias, no entanto posteriormente, a Soc. Filarmónica Fraternidade de S. João de Areias ofereceu-nos a sua sede para que pudéssemos ensaiar.

Retirado da página do Grupo no Hi5.

sexta-feira, 25 de Abril de 2008

005. MAESTRO PEDRO CARVALHO

Maestro PEDRO MIGUEL MORAIS CARVALHO

Iniciou os seus estudos aos 8 anos na Sociedade Filarmónica Lealdade Pinheirense, foram seus Professores o Sr. Francisco Castanheira, Ilídio Gomes e Raul Saraiva de Almeida.

Ingressou no Conservatório Nacional de Coimbra na Classe de Euphonio com o Professor Nuno Costa e na Escola de Artes da Bairrada onde estudou com os Professores Daniel Marques e Sérgio Carolino.

Frequentou vários Cursos Internacionais de Aperfeiçoamento Musical para Jovens Músicos e Cursos de Direcção realizados pelo INATEL com os seguintes Professores: José Pedro Figueiredo, Carlos Marques, Alberto Roque, José Brito, Adelino Mota, Paulo Lameiro, Francisco Ferreira e Robert Houlihan.

Participou em várias Masterclass de Tuba/Euphonio com os Professores Oren Marshall, Eduardo Nogueroles Bermudes, Sérgio Carolino, Daniel Marques e Steven Mead. Recentemente participou numa Acção de formação em Metodologias e Técnica Orff com o Professor Carlos Gonçalves, possui formação de Educação e Expressão Musical no 1º Ciclo do Ensino Básico com os Professores Fernando Paulo Gomes e Luís Matos promovido pela ECM, Edições Convite à Música.

Foi Professor de Música na Sociedade Filarmónica Lealdade Pinheirense e Maestro assistente da mesma onde dirigiu a Orquestra da Escola de Música. Colabora como músico na Sociedade Musical Alvarense – Casal de Álvaro, Águeda. Actualmente lecciona nas Escolas EB1 do concelho de Santa Comba Dão a disciplina de Expressão Musical.

É Maestro da Sociedade Filarmónica Fraternidade de São João de Areias, coordenador da Escola de Música e Orquestra Ligeira. Neste momento Frequenta a Licenciatura em Música na Escola Superior de Educação de Coimbra.

Retirado do folheto do "Concerto de Páscoa" que se realizou a 30 de Março de 2008.

quinta-feira, 24 de Abril de 2008

004. MÚSICOS E INSTRUMENTOS DA FILARMÓNICA

Flautas:
. Sónia Marisa Correia Alves
. Sónia Pais

Clarinetes:
. Ricardo Miguel Lucas Santos
. Luís Pedro da Silva Ribeiro
. Andreia Filipa Martinho Hervet
. Cristiano Miguel Almeida Correia
. Sandrine Filipa Almeida Correia
. Ana Filomena Coelho S. Costa
. Aurora Beatriz Fernandes Borges
. João Pais da Costa Neves
. Ana Rita Dias Rodrigues
. David José Lucas Castanheira
. Márcia Filipa Fernandes Borges
. Juliana Frias
. Ana Sofia Gomes

Saxofones Altos:
. Jorge Miguel da Silva Amaral
. Rui Rafael Fernandes Borges
. António Pais da Costa Neves
. Márcia Rodrigues Lopes
. Vânia Antunes

Saxofones Tenores:
. Vitor Antonino Simões Borges
. Gonçalo Filipe Marques Durães
. Nuno Filipe Moreira Gomes
. Daniel Filipe Teixeira Ferreira

Saxofone Barítono:
. Sérgio António Ferreira Simões Tavares

Trompetes:
. João António Marques Alves
. António Miguel Gonçalves
. Marco António Mendes Correia
. António José Lourenço
. Sara Alexandra Rodrigues Antunes
. Beatriz Castro Frias
. Rafael Carvalho
. Rafael Mendes

Trombones:
. Duarte Nuno Vieira Antunes
. Joel António Pais Ferreira
. José Manuel Alves Antunes
. Miguel Ângelo Antunes Henriques

Trompas de Harmonia:
. Luís Carlos Mendes Pinto
. Ana Beatriz Dias Rodrigues

Euphonios:
. Ângelo António Alves D. Santos
. João Manuel Ferreira Gomes
. André Lopes

Tubas:
. Pedro Miguel Santos Marques
. Paulo Jorge Alves
. André Borges Figueiredo
. Pedro Miguel Sousa Marques
. Rómulo

Percussão:
. Ricardo Jorge Prata Monteiro
. Daniel Filipe Oliveira Severino
. João António Rodrigues Oliveira
. Diogo José da Silva Ribeiro
. Diogo Rocha Garcia
. Inês Sofia Simões Duarte Calado
. Ângelo Fernandes Durães

quarta-feira, 23 de Abril de 2008

003. CORPOS SOCIAIS 2011-2012

ASSEMBLEIA-GERAL

PRESIDENTE: Lino Ferreira Dias
SECRETÁRIO: António Caetano Pais
SECRETÁRIO: José Luís Santos Neves

DIRECÇÃO

PRESIDENTE: Vítor Antonino Simões Borges
VICE PRESIDENTE: João António Marques Alves
1º SECRETÁRIO: Ricardo Miguel Lucas Santos
2º SECRETÁRIO: Sandrina Filipa Almeida Correia
TESOUREIRO: Sérgio António Ferreira Simões Tavares
VOGAL: Rui Rafael Fernandes Borges
VOGAL: Nuno Filipe Moreira Gomes
VOGAL: Duarte Nuno Vieira Antunes
VOGAL: Sónia Marisa Correia Alves
VOGAL: Daniel Filipe Oliveira Severino
VOGAL: Luís Filipe Fonseca Almeida

CONSELHO FISCAL

PRESIDENTE: Jorge Miguel da Silva Amaral
VOGAL: António Narciso Coelho Silva
VOGAL: João Vieira Carvalho

domingo, 20 de Abril de 2008

002. HISTÓRIA DA FILARMÓNICA

Associação fundada em Agosto de 1875, conta neste momento com 130 anos de existência, sempre em actividade permanente, seu fundador António Augusto dos Santos Macário, natural de Molelos (Tondela) então funcionário da Câmara Municipal desta Vila, e um entusiasta pela causa da música, havendo frequentado o curso do Conservatório de Música em Coimbra.

Ao longo destes anos, a filarmónica tem vindo a levar a diversos pontos do País e Estrangeiro, uma mostra positiva da cultura da região em que está inserida.
Segundo relato das pessoas mais antigas, esta filarmónica iniciou a sua acção musical quando da sua fundação, o Sr. António Augusto desenvolveu o gosto pela música na população local ao formar com um grupo de rapazes habilidosos que já demonstravam aptidão para a música.

Segundo fonte oral: "Anos antes da fundação da filarmónica já seis rapazes começaram a aprender Música. O Sr. António Augusto encontrou aquela meia dúzia de rapazes com habilidade, agarrou neles e arranjou logo doze a tocarem às missas.

Porque não havia ajudas externas e os recursos eram poucos ou nenhuns, iniciaram-se os ensaios numa pequena loja cedida gratuitamente por um elemento desta colectividade. Aí, à luz de candeeiros a petróleo, essas pessoas empenharam toda a sua boa vontade e carinho em levar a cabo o sonho que viria a ser uma realidade.

Passados alguns anos de actividade, veio a necessidade de se adquirir um espaço que lhe servisse de sede, onde pudessem guardar as suas coisas e fazer os seus ensaios.

Com algum (pouco) dinheiro que já tinham amealhado, os directores e músicos lançaram mãos à compra de uma casa "velha" em madeira, que por muito tempo serviu de sede.

Porem, por adversidade da natureza, um ciclone em 1941 pôs fim a esta débil casa, deixando a banda novamente sem abrigo e perdendo-se documentos escritos existentes, bem como muitos dos seus instrumentos.

Porque não havia seguros, restava mais uma vez o esforço e dedicação de todos para se iniciar a construção de uma nova sede, mãos à obra, e como se diz, "o homem sonha, a obra nasce ", eis que se segue a construção do edifício entre 1948-1953 que actualmente ainda serve de sede já com algumas restaurações de fundo.

Ao longo destes anos a Filarmónica contou com um rancho folclórico tendo como nome " AS PAPOILAS " e um grupo musical de baile" OS ROUXINÓIS DO MONDEGO" ambos já extintos.

No espaço musical, esta colectividade, não sendo constituída por profissionais, nunca deixou os créditos por mãos alheias, vindo sempre a manter um nível aceitável de média alta.

Funcionando com uma escola de música permanente, frequentam esta cerca de 20 alunos desta localidade e localidades limítrofes.

Actualmente a banda de música conta com 35 elementos, sendo 90% destes com idades inferiores a 23 anos.

A Orquestra Juvenil foi uma das actividades lançadas por esta colectividade em 1994, aquando a regência do Sr. Evaristo Neto e dela faziam parte 20 elementos dos mais jovens da banda de música, passando mais tarde a permanecer só o nome de Orquestra ligeira da Filarmónica de S. João de Areias.

Ao longo de todos estes anos de existência foram inúmeras as actuações em festas religiosas e profanas, recepções a Ministros e Presidentes da Republica, Festivais de bandas Filarmónicas e aniversários, inauguração de estádios de futebol, participação musical em jogos das nossas selecções de futebol.

Aconteceram actuações em diversos pontos do Pais e Estrangeiro, sendo de acentuar as da Feira Popular de Lisboa, Feira de S. Mateus em Viseu, etc.

Nas actuações no Estrangeiro, contou em 1994 com um convite dos E.U.A., onde fez deslocar a banda da Filarmónica durante 10 dias para participação nas Comemorações do Dia de Portugal e das Comunidades, e diversos concertos se realizaram para os emigrantes aí residentes.

Em 1995 surgiu o convite dos emigrantes residentes em Nimes - França, onde a Filarmónica se deslocou para diversas actuações junto destes.

Nesta colectividade, que presentemente respira um clima de saúde e afirmação, há já traçados planos para um futuro que esperamos que seja promissor para os elementos mais jovens que esperamos em alguns ver seguida a actividade profissional de músico, não nos evitando a esforços para ajudar todos aqueles que queiram seguir o conservatório sendo já um número considerado aqueles que já o frequentam.

No que respeita à colectividade, fizeram-se obras de fundo nos últimos três anos alterando totalmente o seu espaço para que se tivesse mais condições, actualmente conta com um salão de festas excelente, palco equipado para teatro, salas de ensino musical, arquivo, sala do regente, gabinete de fardamentos, sala de convívio para os músicos, cozinha, bar aberto a todos os sócios com jogos etc.

Conta também desde Julho de 2002 com um grupo de danças e teatro amador com o nome de "NINFAS & Cª "constituído por jovens desta terra, e terras limítrofes que têm vindo a realizar fabulosos espectáculos tanto a nível de dança como teatro.

Com mudança de regência, a Banda Filarmónica encontra-se numa fase de transição, essa sendo radical em toda a parte musical, aquisição de instrumentos e escola de música.

A Sociedade Filarmónica Fraternidade de São João de Areias a comemorar os seus 130 anos de existência, grava então o seu 1.º C.D., gravação essa feita em concerto ao vivo na Casa da Cultura de Santa Comba Dão.


Retirado do site oficial da Filarmónica

sábado, 19 de Abril de 2008

001. BEM-VINDOS!

Bem-vindos ao blogue da Sociedade Filarmónica Fraternidade de S. João de Areias. Trata-se de um blogue não oficial e é feito por dois alunos da Escola de Música da Filarmónica.